domingo, 10 de julho de 2011

Fazendo testes com randomicidade e textura - logo não faz muito sentido sem fones. Inacabado, e inconsistente com o Varzea, sleepe, mas depois tiro do myspace.

Um comentário:

Adriano de Sousa disse...

Daniel,
Meu nome é Adriano de Sousa. Mantenho – junto com Flávia Assaf – um pequeno selo editorial (Flor do Sal), que publica livros e – uma vez por ano – uma revista chamada Perigo Iminente, monotemática, dedicado a assuntos ligados a esta província sem passado, presente ou futuro. O número inaugural foi editado no ano passado, com textos, fotos, artes gráficas & plásticas versando sobre o tema A Cidade Sonhada – um apanhado de previsões “atualizando” a conferência de Manoel Dantas de 1909, imaginando Natal dali a 50 anos. Um exercício que misturava linguagens, formas e matrizes de pensamento para delirar livremente sobre o tema, projetando sem compromisso factual a Natal de 2059.
Em outubro próximo, vamos publicar o segundo número da Perigo Iminente, com o tema geral “Pensar-se potiguar”. A idéia é compor um painel com pensares sobre lugares, figuras, eventos, microtemas, fatos, ficções, mitos, coisas em geral que, de algum modo, esmiucem a questão da identidade, do ser potiguar. Não tencionamos oferecer respostas prontas nem “academizar” o tema. Ao contrário: queremos reunir (anti)visões de pessoas que gostamos de ler, com recortes desse tema geral. Com toda liberdade de abordagem, forma, linguagem, proposição. Literatura, artes visuais, filosofia, economia, antropologia, sociologia – vale qualquer matriz de pensamento ou viés, desde que bem pensando e bem escrito.
Conheci o seu trabalho de verbo&imagem por indicação de um amigo, que conhecia os seus blogs e sugeriu que eu desse uma olhada. Gosto do que leio e vejo lá; por isso tomo a liberdade de convidá-lo a participar da Perigo Iminente.
Um tema que queremos abordar na revista é o tal do “País de Mossoró”, essa construção ideológica solidamente referenciada por razões & grupos que eu não vou perder tempo (o seu e o meu) esmiuçando, porque você sabe do que se trata. É, assim como o Seridó, Natal e as serras do Oeste, um dos nossos raros espaços “geográficos” em que se processa tentativa de identidade autônoma em relação ao RN, com tudo que isso implica de construção ideológica, simbólica eo caralho. Teremos na revista textos de Muirakytan K. de Macedo (Seridó), François Silvestre (serras) e Edmilson Lopes Júnior (Natal) sobre os outros três lugares, e gostaria de termos um texto seu sobre o tal “país de Mossoró”. Para firmá-lo, negá-lo, explicá-lo, contextualizá-lo, ridicularizá-lo, des/ mi(s)tificá-lo – enfim, para abordá-lo da forma que o seu talento achar conveniente. O que nos interessa é ter o seu texto (e seu trabalho de artista plástico) na revista, com esse tema, compondo uma das faces do perfil desconexo e multiforme que queremos pintar com o tema do ser/pensar-se potiguar.
As questões práticas. O trabalho será pago, com base na tabela do Sindicato dos Jornalistas (sou um deles) para frilas. Isso significa pagar R$ 50,93 por lauda (compreendendo lauda como cada 30 linhas de texto em corpo 12) e R$ 54,31 por cada ilustração. Se você se interessar pelo trabalho, o texto deve ter um mínimo de 5 e um máximo de 10 laudas (esse espaço é um cálculo médio tomando como base o volume que pretendemos para a revista e o número de textos e/ou ilustrações utilizadas). Além de escrever, gostaria que você criasse duas ilustrações em p&b ou policromia, no formato 10x15, para ilustrar (perdoe a redundância) o seu texto.
Por favor, considere o convite com carinho. E desculpe-me por usar o espaço de comentários do blog para mandar esse convite. É que eu não tenho outro contato seu (não vi nos blogs nenhum e-mail).
Meu e-mail é sousaad@uol.com.br. Os telefones: 9912-9472 e 3642-2637.
Obrigado, Adriano