quinta-feira, 17 de julho de 2008

it. silo G6, bs. central nv. encom.




A enchente de distração devastou o ambiente doméstico do bom selvagem, a clareza de princípios do Papai Smurf. Desregulou a menstruação de sua filha bastarda Smurfete. Tivemos que dar cabo daquele vilarejo smurf, eu e o tenente Brock, aqueles malditos vermes sujos; tudo explodiu numa chuva de granadas supersônicas, invadindo os flancos numa unidade anfíbia da infantaria, quadrante 3. Lançando mísseis balísticos intercontinentais pela minha glande anti-radar. Uma prostituta cuspiu na janela do meu carro, ouvi gritos púberes contaminando a bosta jovial na noite de possibilidades, o ritmo excitante da cidade que nunca dorme; aceno para a procissão de colegiais zumbis inseguras sobre o tamanho de seus seios. Desenvolvem recalques eternos e perdem o controle sobre os filigranados mecanismos que regem suas vidas sociais ajustadas, como braços mecânicos de branco cromado encapsulando comprimidos em série – o claustro lhes impingiu a disfunção social e a amnésia; a ilusão drenou seus poderes. Estávamos entediados sobre o quadro geral.

- Ei Gostoso! É, Você Mesmo!

Boa música, bom papo e drinks deliciosos.

Sinta o calor de Natal, onde moram amigos e pessoas que você gostaria de conhecer e convidar para lugares, lugares onde você gostaria de andar de um lado para o outro, banheiros onde você gostaria de permanecer estático – eu paro ante um sensor de descarga [minha presença é ignorada] cruzando a atmosfera branca entre linhas eletromagnéticas invisíveis. Fariam a sua vida valer por um instante (as letras submergem no background etéreo). São as pequenas coisas que valem a pena e que esquecemos, porque você ficou míope de espírito, criança – Dê um presente a si mesmo e encontre esse alguém caucasiano, sudoríparo, esse jazigo feromônico que compreenderá sua inadequação ao protocolo majoritário vigente na presente jurisdição (oh, esta cláusula arbitrária etc.). Ouça a voz hormonal do universitário intimista. Deixe-se perder em seus braços firmes e acalentadores, o vocalizar compreensivo, o glorioso carisma da aura pubiana, quando se nos entorpecem os sentidos à noite no seu scooter reumático, banhados pela póstuma luz do estrogonofe. Dado que sua individualidade fragmentada caiu divinamente bem na minha terrasse, e eu estou reconfigurando definições de aridez em segredo, sentado ao seu lado [banco de passageiro] ouvindo alguma merda no mp3 player do deck – adulterava distraído nossas memórias conjuntas em norte a uma espécie de esterilidade total instantânea ≈ morte fulminante na banca de mestrado explodindo incontinente ao regaço do luar nas autênticas serranias gaúchas, ande paranóico para casa reconstrução cosmética – ei gostoso! É, você mesmo! [cadeias reiteradas de informação contraditória podem produzir modelos conflitantes]filtro de spam, exclusivo para computadores autoconscientes, ciborgues inseguros, clones beatnik com édipo e fixação anal produzidos e exportados em larga escala para a Coréia do Norte – sou o seu homúnculo estéril e agora, Nostradamus com a previsão do tempo. Eu não quis queimar o seu beagle em rede nacional, apenas segui à risca o meu mapa astrológico o que está acontecendo? Novos padrões de configuração para seu sentimento de culpa ei Gostoso! É, Você Mesmo! define acesso personalizado

[Coerência um ruído do processo etc. – tem experienciado déjà vu frequentemente?]

Permiti que sua namorada defecasse em meu lar, no vaso imbuído de valor sentimental que é o legado indelével do meu tataravô Desktop Mascarenhas Speak Spanish II. Era o mínimo que um amigo podia fazer por alguém que pode fazer o mínimo que um amigo pode fazer. Como mediar um encontro marcado à luz de velas entre minha cabeça e uma bala 38 mm, you self-obsessed pile of shitty white trash fear-driven solipsistic autopromotional wasted scum. “É a porra do Casablanca, fio, então é melhor começar a chorar”. “Fique peixe ol’ chum, sua namorada pode cagar o quanto quiser na minha casa. Mesmo que ela enfie um sprinkle no cu e saia jorrando bosta por todo lado - mesmo assim, não vou implicar. Mi casa su casa. Mi privada su privada” [Instanciação do Operador Universal] – o gás tóxico expelido pela sua namorada dizimou meu vilarejo; minha família devotada a afazeres tradicionais, impolutos pela compulsão vazia das multidões anônimas toxicologicamente dependentes de entretenimento homeopático. Minha família de ciborgues do futuro era o totem nunamiut da frugalidade pastoril. Em seus módulos internos de fissão nuclear, processavam apenas o verdadeiro pão montanhês, produzido com o autêntico trigo das montanhas. Era um povo simples, que sabia o valor de estuprar um carneiro. Uma gente humilde, que conhecia o significado de relações interespecíficas, bálsamo de Deus para a solidão nos pampas – estats. rct. revelaram que 76% da população rural são vit. de psicopatologias resultantes da superexposição a esposas e vagem; 69% sofrem de uma doença venérea, mais epidêmica que a AIDS, conhecida como matrimônio – e não foi outro senão esse o povo sofrido que estava lá quando precisamos de um ombro amigo no amor, e de um escudo humano na guerra. Pois esse é o caminho dos meus antepassados rurais, homens de suspensório que conheciam a importância da escravidão infantil enquanto método pedagógico e ademais recreativo, mantendo a tradição milenar de seus antepassados ruidosos homofóbicos de boa fé. Espíritos tolerantes que acolhiam a igualdade entre homens e pobres, negros e humanos, mulheres e animais. Não foi outro senão meu tio-avô que pioneiramente defendeu a liberdade feminina para cozinhar, costurar, parir, morrer quando espancada, apodrecer quando morta, evaporar quando podre, e hoje não é raro vê-las saindo de casa aos fins de semana, ou em feriados nacionais. Era esse o povo desprovido de complexidade psicológica cuja vida foi roubada – sem o mais simples e remoto titubear de clemência – pela instabilidade esfincteriana de sua namorada. Aquela que devastou minha árvore genealógica ao expelir uma nuvem tóxica cataclísmica de metano, dude, logo cooptada pela Al Qaeda em seus laboratórios subterrâneos dentre os quais metade apenas justificável por uma intensa fixação anal. Aqueles beduínos sujos finalmente conseguiram, Tucker o Estilista. Superaram em eficiência todas as nossas armas químicas de destruição em massa precedentes, e agora lambemos do pau deles as fezes dos nossos pais.
Agora, Sampaio, importamos carregamentos da fina barba islâmica. Do brioso pêlo pubiano árabe (toneladas e toneladas).
Nosso sangue é a tinta que sua prole muçulmana usa para pintar no primário.

Presenteei o Nogueira, meu cunhado, com um kit de caipirinha e outro de harakiri. No programa de entrevista, modelos conflitantes de informação derretem a cabeça da atriz mamária do seriado Baywatch.

*

A atração maior fica por conta da noite.

A sonda detecta um fator de tumescência lúbrica no cu do PM. Instala-se um clima de paz e harmonia; este é apenas mais um charme dessa atmosfera de descobertas. Ele procura sôfrego a silhueta do dildo primevo nos olhos monofásicos da noiva, anteposta a um referencial ideal estático no vazio. Sua identidade era o prurido militante no prepúcio do reitor; como o dia em que partimos, visto que não sabíamos quando rolaria a festa. Levamos nossas mães acorrentadas para a assistente social, aquele ser testosterônico e seu distúrbio glandular, timidamente escondida sob as camadas de pêlo. Em dias de lua cheia, transforma-se em humano, improvisei, mas você não ouviu; checava os seus créditos convalidados – seu olhar, perdido, como uma borboleta numa fossa abissal atlântica; como um fragmento de cream cracker numa praia artificial da Siderúrgica Debrasa, passe um fim de semana com a família e pegue um bronze nesse paraíso sintético que emula com perfeição o litoral sul da Bahia em 1500, incluindo índios esquartejados em cerâmica*. Mas era tarde, tão tarde que Carole King encontrava-se em situação privilegiada no que concernia à disponibilidade de tempo em "It's too late". Era tarde para reportar os danos nos it. do silo G6, bs. central nv. encomd., para esquecer a vida enquanto andamos e contamos ogivas VS-1 termo-sensíveis em Itapuã, ao sol que arde em Itapuã (centro comercial), tarde para eliminar aquelas desagradáveis manchas epiteliais de maneira rápida, indolor e letal – uma delas disse “eu não sou um câncer”, com uma vozinha aguda, mas estava mentindo, tentamos processar seu melanoma e aquele jurista que era fã de Ally McBeal, uma atitude inconstitucional e outrossim um chocante crime em lesa-conduta; acordei deitado num viaduto, sob o céu limpo da tarde californiana. Um engarrafamento quilométrico se estendia diante dos meus sapatos, para além do horizonte. Não os ouvia buzinar, os carros, porque o tempo havia parado, ou era um efeito dramático ou sei lá. Sentindo o asfalto quente e estéril, assistia em silêncio as redes de encanamento crescendo e formando padrões no céu, apagando o cheiro morno de sua camisola de dormir; o tecido que pousava como mariposa sobre os seios prenhes de sono, puta ordinária etc. O prazo máximo para a transação autorizada era de 30 dias. E eu disse ao auditor: “nunca dediquei à minha vida pessoal o mesmo cuidado devotado às notas fiscais, meu quirido. Minhas memórias e minhas experiências solitárias insones, estas nunca as arquivei em local seco também evitando contato com plástico e diesel, dejetos químicos e luz do sol, lâmpadas fluorescentes e outras fontes de calor. Au contraire, meu doce auditor, au contraire, porque tendo a esquecê-las com eficácia prestidigital. Sou o ás do esquecimento instantâneo. Então preciso que me diga isso agora, baby, preciso que me diga; diga-me, diga-me, auditor fiscal, diga-me agora: qual o COO do documento vinculado? Pois não posso continuar sozinho, sem receber em minha pele a precisa qtd. un. Vl unitário de calor animal que emana de suas antenas multipath de reflexão ionosférica”.


* Taxa adicional para índios esquartejados reais.

2 comentários:

chi disse...

Caralhos que o partam!
There's method in this mad volcano of yours. Boquiabrome, Daniel, tu é FODA!!
No mais, é viva João Ubaldo Ribeiro, que acabou de ganhar o Camões e disse: ganhei por que mereci. Itapariquense da porra!

olavo disse...

you self-obsessed pile of shitty white trash fear-driven solipsistic autopromotional wasted scum

Mi privada su privada

!