domingo, 16 de março de 2008

Ereção fatal - Pt. 1



Olhei dentro do vaso sanitário, e percebi que minha faculdade de estabalecer juízos sobre a realidade havia sido eliminada com a diurese matinal. Estava dissolvida na urina, mas podia sentir o seu odor. Eu estava em uma área secreta nos EUA, sendo cobaia para testes envolvendo uma nova qualificação acadêmica 8,21.10³² vezes superior ao Pós-Doutorado. Se os resultados do experimento lograssem êxito, minha capacitação técnica exibiria um jargão com grau de especificidade tão elevado que nenhuma forma de vida no universo poderia jamais compreender uma única frase proferida por mim, e de fato, em contato com meu curriculum, teriam seus egos automaticamente pulverizados, passando a viver num estado de constante insegurança; de constante incerteza. Eu morava em um cubículo exíguo e sufocante, sem janelas, com um homem recém-divorciado, por ter confundido sua esposa com um criptomorfismo diádico para semânticas polivalentes. “Ela disse que se eu a amasse realmente teria facilidade em reconhecer seus traços fisionômicos, e em distingui-los de conceitos matemáticos abstratos. Pf, você acredita nisso?”, dizia-me. “Quer dizer, criptomorfismo diádico era o seu apelido na infância. Tenha dó. Veja”. Disse-lhe que a foto realmente lembrava um criptomorfismo que eu havia visto na graduação. “Rolou algo?”, perquiriu. Nesse instante, uma Bomba A destruiu a base secreta, mas eu fui salvo por manter minha integridade enquanto cidadão. Projetando um escudo de virilidade e retidão de caráter ao meu redor – técnica que aprendi com John Wayne, durante um cruzeiro transatlântico em sua companhia – atravessei o fogo, incólume.

“Nudge nudge, leite fresco natural. Conduz o continente americano ao colapso nuclear. Sua aclamada atuação personagens cativantes retrata em haikus a frágil beleza da síndrome do túbulo carpal, hey goo! what’s new?. Um legado indelével na história do pensamento ocidental ela se casou?! – você precisa vir também etc. morra – eu adoro o ar das montanhas hey guys! apaixonado por uma réplica mecatrônica de Julie Andrews – apronta todo tipo de confusões – ele sabe que odeio estampas verdes e eu disse por que você não vai com ela a filha está na faculdade mau uso abuso ou armazenagem inadequada o mais novo é alcoólatra – o grande compositor morreu ontem ao confundir mostarda com nitroglicerina, não poderão ser responsabilizados por danos diretos ou incidentais, acusado de preconceito contra a relação homossexual entre oceanógrafos subatômicos homicidas, outros sintomas similares, flagrado enquanto falsificava fezes, sutil matiz outonal – exibia um quadro de dependência toxicológica de valium e comida tailandesa, ganhou vida novamente com a chegada do couro sintético hey goo! what’s new?. Desligue as luzes querido. Onde você estacionou o carro? Querida, onde estão as crianças?”, disse a pequena boca no pescoço da minha orientadora de Pós-Doutorado em Diplomacia Solipsista.
Clic – inicialmente, um praticante de cooper sobre a água mantém esperanças minúsculas e delírios de redenção, retro-alimentados numa máquina pessoal de hipertrofia. As quedas seguem, irrevogáveis, a cada novo delírio – ele, irrevogavelmente, submerge. Seus valores aberracionais terminam por condená-lo ao mais completo isolamento; um triste exílio – em toda a História, apenas um homem sucedeu nesse exigente esporte – em meados do século I na atual região do Estado de Israel – o que alavancou a popularidade de seu amigo imaginário, assim promovido a fenômeno internacional. Cidades cenográficas, projetadas para iludir, e espalhadas como iscas; a paranóia recursiva do praticante desse esporte blasfemo inclui, agora, o mundo inteiro; como um embuste cuja revelação é sempre iminente. O hotel próximo a sua casa não é real; não há clientes reais. Aquelas pessoas no átrio iluminado, destacado da noite, são fantasmas que fingem conversar, e que fingem estar prestes a entrar no hotel, onde fingirão passar a noite – são como cascas de cigarras mortas, que se desmancham sobre um tedioso deserto de pedras escuras – sua desconfiança generalizada contempla todas as coisas. A beleza e a vida sobretudo, são filtradas, extraídas e descartadas como resíduo de processamento pela máquina; apenas o sumo indiferenciado, falso, estéril é re-aproveitado, em cadeias reiteradas transfinitas.
Decretamos luto oficial de três dias para nossa raison d’être.
Eu não podia mais recorrer ao cooper aquático como um mecanismo de compensação para meus problemas renais, disse a mim mesmo, e então eu disquei para o exterminador de ciborgues do “Exterminador do Futuro”. Contendo as lágrimas, e com a voz embargada, disse-lhe: “Você pode vir aqui e me devolver esse rim que doei para você, e você vai fazer isso agora, porque você é uma máquina e não precisa de rins, mas eu... eu sou humano, cara”, disse, num apelo, desandando a soluçar, “eu sou um verdadeiro ser humano, está me ouvindo?, e como tal, preciso de órgãos especializados em filtrar o sangue. Você está me entendendo?”. Uma equipe de TV transmitia a cena ao vivo, em rede nacional. Mais tarde, repórteres me entrevistavam; eu estava deitado num leito de hospital: “Como você se sente agora que tem dois rins outra vez?”. “Eu...”, enxugando as lágrimas, “eu me sinto abençoado. Agora, posso filtrar meu próprio sangue”.
Eu me tornara uma paixão nacional.
Pessoas usavam meus resíduos excrementícios como gel para cabelo; ou creme dental. Esfolavam-se como cães, cobiçando a oportunidade de ser sodomizadas pelo imenso e grave órgão copulador no qual me havia transubstanciado; assim quem sabe absorvessem, osmoticamente, uma estilha vestigial de minha deidade cataclísmica que a tudo oprimia. Teriam seu pecado original da impopularidade expurgado pelo meu Santo Suco Gonadal Purificador.
[agora também em latas de 350ml].

Eu me tornara uma ereção devastadora.
Minha glande rompia os ligamentos anais do espaço-tempo continuum.

Tudo era apenas mais um dia para mim no paraíso até que fui raptado pelo Lord’s Salvation Army, em um campo de refugiados da Uganda, e então obrigado a fuzilar minha própria família – as garrafas andavam em falta no treinamento de tiro.

(Continua...)

Nenhum comentário: